Posts Marcados Igreja

PERDOEM-ME O DESGOSTO! …ESTÁ INSUPORTÁVEL!


Perdoem-me, irmãos, eu confesso a tão aguardada confissão de minha boca. Sim, eu confesso que não posso mais deixar de declarar a minha alma. Para mim é questão de vida ou morte. Perdoem-me, irmãos, mas eu preciso confessar.

Sim, eu confesso…

Está insuportável. Se eu não abrir a minha boca, minha alma explodirá em mim.

É insuportável ligar a televisão e ver o culto que se faz ao Monte Sinai, que gera para escravidão. Os Gálatas são o nosso jardim da infância. Nós nos tornamos PHDs do retrocesso à Lei e aos sacrifícios. Pisa-se sobre a Cruz de Cristo em nome de Jesus. Insuportável! Seja anátema!

É insuportável ver o culto à fé na fé, e também assistir descarados convites feitos em nome de Deus para que se façam novos sacrifícios, visto que o de Jesus não foi suficiente, e Deus só atende se alguém fizer voto de freqüência ao templo, e de dinheiro aos sacerdotes do engano e da ganância. Insuportável!

É insuportável assistir ao silêncio de todos os dantes protestantes—e que até hoje ofendem os cultos afro-ameríndios por seus sacrifícios, sendo que estes ainda têm razão para sacrificar, visto que não confessam e não oram em nome de Jesus—ante o estelionato feito em e do nome de Jesus, quando se convida o povo para sacrificar a Deus, tornando o sacrifício de Jesus algo menor e dispensável. Insuportável! Leia o resto deste post »

Anúncios

Deixe um comentário

O que é ser verdadeiramente um discípulo e igreja


http://CaminhoConsciencia.com

Um tapa na cara!

Deixe um comentário

A entropia da instituição


Foi no dia do lançamento do O que eles estão falando da igreja; conversávamos, os autores que iam chegando, ao redor de uma mesa da cantina do Mackenzie e eu fiz uma das minhas intervenções usuais contra a instituição. Imediatamente, com doses iguais convicção e provocação, o Alessandro Rocha (que eu havia conhecido naquele momento) reagiu apaixonadamente:

– Mas o que é você está dizendo, Brabo? Até parece que você não sabe que a Bacia é uma igreja! Já faz algum tempo que venho pensando em escrever sobre isso, que a Bacia das Almas do Paulo Brabo é uma instituição e que é sem dúvida uma igreja.

E com essa verdade despiu-me ali mesmo, embora tenha tido a gentileza de não delatar-me diante do auditório quando “compomos a mesa” um ao lado do outro alguns minutos mais tarde.

Fazendo isso, o Alessandro (que de resto, e inclusive por isso, descobri naquele dia ser um cara absolutamente notável) abriu uma ferida que venho tentando tratar pelo menos desde meados de 2007. Em retrospecto, foi justamente a convicção de que estava criando uma igrejinha que me fez recolher deste sáite a caixa de comentários, para evitar (ou pelo menos retardar) a ilusão de que formávamos aqui alguma espécie de “comunidade”.

Embora exista oficialmente desde 2004, a Bacia não tomou fôlego até o dia em que fomos encontrados e levados a sério pelo Volney Faustini, isso talvez em algum momento de 2005. Nesse intervalo escrevi protegido e abençoado pela convicção de saber: publico “e ninguém lê” (como me disse naquela época minha irmã Alice, para me incentivar).

Leia o resto deste post »

Deixe um comentário

Anjos de asas quebradas


“No décimo quinto ano do reinado de Tibério César, sendo Pôncio Pilatos governador da Judéia, Herodes, tetrarca da Galiléia, seu irmão Filipe, tetrarca da região da Ituréia e Traconites, e Lisânias, tetrarca de Abilene, sendo sumos sacerdotes Anás e Caifás, veio a palavra de Deus a João, filho de Zacarias, no deserto.” (Lc 3.1-5)

“Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo.” (Ap 3.20)

“Seguiram os onze discípulos para a Galiléia, para o monte que Jesus lhes designara. E, quando o viram, o adoraram; mas alguns duvidaram.” (Mt 28.16-17)

Os textos acima demonstram que Deus sempre contou com pessoas corajosas para levar as suas notícias; pessoas que tiveram coragem de escrever e de denunciar o que estava acontecendo para que todos soubessem quais eram as lutas de Jesus.

Deus expulso do templo

Em Lucas 3.1-5, o evangelista afirma, corajosamente, que Deus foi expulso do templo. Quando Anás e Caifás eram sumo sacerdotes, veio a palavra de Deus a João, filho de Zacarias, no deserto. Deus havia sido expulso do templo e agora estava no deserto. A declaração de que havia dois sumo sacerdotes denota contradição, pois, por definição, só pode existir um sumo sacerdote. Porém, a tradição paralela nos ajuda a entender os acontecimentos.

Os romanos entraram em Israel sem precisar lutar. Eles foram para lá arbitrar um problema entre dois candidatos a rei, e descobriram que a melhor forma de controlar o povo, que se sublevava a todo tempo, era influenciar a escolha do sumo sacerdote. Então Anás, sujeito esperto, ladino, político populista, fez um acordo com os romanos e se tornou o primeiro sumo sacerdote dessa nova safra. Cada um de seus cinco filhos foi sumo sacerdote e, quando ele não tinha mais filhos para nomear, nomeou o genro, Caifás. Nos bastidores, ele estava no controle o tempo todo. Foi assim que o templo foi tomado pelos romanos.

Leia o resto deste post »

Deixe um comentário

Há igrejas que são gaiolas e há igrejas que são asas


Parafraseando Ruben Alves

Igrejas que são gaiolas existem para que os pássaros desaprendam a arte do vôo. Pássaros engaiolados são pássaros sob controle. Engaiolados, o seu dono pode levá-los para onde quiser. Pássaros engaiolados sempre têm um dono. Deixaram de ser pássaros. Porque a essência dos pássaros é o vôo.

Igrejas que são asas não amam pássaros engaiolados. O que elas amam são pássaros em vôo. Existem para dar aos pássaros coragem para voar. Ensinar o vôo, isso elas não podem fazer, porque o vôo já nasce dentro dos pássaros. O vôo não pode ser ensinado. Só pode ser encorajado.

Claudio Vitoriano

Deixe um comentário

Amantes de padres católicos criticam celibato em carta a Bento 16


Em carta aberta enviada ao papa Bento 16, mulheres que afirmam já ter mantido relacionamentos amorosos com padres italianos decidiram tornar públicas as suas relações e criticar o celibato. “A ideia da carta surgiu nesta fase tão agitada para a igreja, depois que o papa reiterou em várias ocasiões o caráter sagrado do celibato. Pensamos: temos de reagir”, diz Stefania Salomone, 42, que teria tido um relacionamento com um padre por cinco anos.

A carta –em que as signatárias dizem esperar que o caráter obrigatório do celibato seja eliminado– foi divulgada pelo site noticioso Global Post na semana passada.

“A nossa voz não pode continuar a ser ignorada”, afirma a carta. “Estamos tentando reafirmar –embora muitos cristãos já o saibam– que essa disciplina não tem nada a ver com as Escrituras em geral, com os Evangelhos ou com Jesus, que nunca disse nada a respeito disso. Pelo contrário. Até onde sabemos, Ele gostava de estar rodeado por discípulos, quase todos casados, e mulheres.”

Só três mulheres assinaram a carta, embora o texto mencione outras e tenha sido escrito “em nome de todas que sofrem com essa lei injusta”.”O problema é que, se uma mulher fala publicamente da sua história, o companheiro sacerdote rompe com ela imediatamente. Por isso, as que assinaram contam histórias já passadas”, explica Stefania.

“Tudo começou como uma relação de confiança, como as que se estabelecem entre os padres e aqueles que organizam atividades nas paróquias”, ela conta. O sacerdote “não conseguia aceitar seus próprios sentimentos”. “Estava perturbado, não sabia como agir. Ao fim, conseguiu negá-los e disse que não queria me ver mais”, continua. Para Stefania, o celibato é “completamente inútil”. “A gente esquece que houve 39 papas casados.”

Outra mulher representada pela carta é Luisa, 38. Ela relata ter se apaixonado por um padre de 35 anos, com quem teria tido um filho. Conheceram-se seis anos atrás, quando o padre exercia o sacerdócio em um povoado a 40 km da casa dela. “Ele veio morar comigo. À família ele dizia que morava na paróquia, e à paróquia, que morava com a família.”

“No meu povoado, a gente fingia que nada acontecia”, diz ela. Mas antes do nascimento do filho, há quase dois anos, o padre decidiu deixá-la. “Foi muito duro. A família dele o enviou a um exorcista e me acusou de bruxaria.” Segundo ela, o padre só viu o filho uma vez e não o reconheceu legalmente. Decepcionada com a atitude da Igreja Católica, resolveu batizar o filho segundo os ritos da Igreja Anglicana, que aceita o casamento dos padres.

Folha

, ,

Deixe um comentário

Idolatria da Igreja


AGORA QUEREM USAR A MINHA BOCA…

Durante muitos anos todos queriam que eu falasse o que desejasse; qualquer coisa…

Depois de 1998 ninguém queria mais que eu pregasse… Até alguns que viveram a vida toda dizendo que eu tinha que pregar até morrer!… Sim, até eles passaram a dizer que não queriam mais que eu pregasse…

Fiquei quieto por dois anos e meio…

Declarei que não mais me envolveria com o movimento “evangélico” a fim de poder viver o Evangelho sem associação com o movimento que leva o nome da qualidade do Evangelho [evangélico] — a fim de não me identificar com algo que era um estelionato em relação ao Evangelho.

Então me chamaram de anticristo, de sedutor, de adultero, de desviado, de apostata, de traidor, de tudo o que não presta… Demônio era o tratamento mais comum entre 1999 e 2003.

Depois foi um dilúvio de cartas, sim, tão logo iniciei meu site…

Os temas eram as taras dos crentes: pastores, suas esposas, líderes, e todo tipo de gente; basta ver as milhares de cartas no meu site.

A “igreja” que me acusava de ter me divorciado e de ter me tornado adultero em razão disso, agora, anos depois, quando milhares e milhares me lêem e vêem todos os dias, tanto no site quanto da Vem&Vê TV, escrevem-se dizendo como devo usar a minha influência para ajudar os evangélicos.

E mais: agora querem que eu não diga mais o que sempre disse; e que eles usavam para, depois de 1998 [antes nunca…], justificar a minha apostasia da fé… Como agora milhares e milhares me lêem, ouvem e assistem todos os dias, querem me usar para que a igreja evangélica não seja vista como ela é…

Mas eu não tenho mais o que dar…

Hoje, no Papo de Graça, mostrei um documentário no qual um homem possuído pelo diabo buscou ajuda nas igrejas e não achou; veio a ser liberto por uma menina simples, mas que cria em Jesus de verdade. Como o homem do documentário disse que foi a todas as igrejas e ninguém se dispôs a ajudá-lo ou a visitá-lo…, um crente que assistia o Papo ficar zangado…

Ora, ao fim do documentário ele, o crente zangado, escreveu no espaço de interatividade do site da Vem&Vê TV que o documentário era tendencioso, pois deixava a igreja numa posição negativa…

Fiquei chocado…

Tudo no documentário exaltava a Jesus, mas o moço crente não se alegrou com a libertação que Jesus trouxe ao homem, e somente se doeu ente o fato de que a igreja foi mostrada de modo negativo; o que nada mais era do que fato verdade dado aos fatos expostos…

Quanto mais vejo e observo […] mais vejo que a “Igreja” é o “Deus” de grande parte dos crentes!

São “idolatras” da “igreja”!

Até Jesus só pode ser glorificado se a “igreja” for também!

Sim, Jesus não tem glória ante os olhos dos crentes se a “igreja” não for glorificada junto…

E o pior é que os “cabeças” da “igreja” pensam assim e ensinam que assim seja…

Como diz o Salmo há aqueles que são como serpentes venenosas que não aceitam ouvir o canto do encantador que as levaria a não morderem com veneno…

Quando Jesus voltar encontrará muita crença na “igreja”, mas nenhuma fé Nele mesmo!

Até quando Senhor?

Mas não descansarei…

Pregarei até o dia do meu fim como voz nesse mundo!

Nenhum homem calará a minha boca…

Senhor, minha boca está aberta; enche-a com a Tua Palavra!

Nele,

Caio

10 de maio de 2010

, ,

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: